Logo

Geossintéticos - Tecnologia de Geotêxteis e Geogrelhas

A Sociedade Internacional de Geossintéticos (IGS) define geossintéticos como sendo:

elementos planos, produzidos a partir de polímeros sintéticos ou naturais, e utilizados em combinação com solo, rocha e/ou outros materiais geotécnicos como parte de um projeto, estrutura ou sistema em engenharia civil.

Enquanto que a NBR 12553 (ABNT, 2003) cita que geossintéticos são:

produtos poliméricos (sintéticos ou naturais), industrializados, desenvolvidos para utilização em obras geotécnicas, desempenhando uma ou mais funções, entre as quais destacam-se: reforço, filtração, drenagem, proteção, separação, impermeabilização e controle de erosão superficial.

A Associação Brasileira da Indústria dos Não Tecidos e Tecidos Técnicos (ABINT, 2000?) chama de "Era dos Geossintéticos" o período pós segunda guerra mundial, quando observa-se acentuado desenvolvimento na indústria petroquímica. Neste período, ocorreram as primeiras aplicações dos geotêxteis nos Países Baixos da Europa e nos Estados Unidos da América. Os primeiros geossintéticos foram utilizados como elementos filtrantes em obras costeiras.

De modo geral, Costa et al (2008) agrupa os materiais geossintéticos podem nas categorias de produtos poliméricos do seguinte modo: geotêxteis, geomembranas, geogrelhas, geomantas e as georredes.

geogrelha georrede
Figura 1: Geogrelhas (Fonte - ABINT, 200?) Figura 2: Georrede (Fonte - ABINT, 200?)

Os Geossintéticos, segundo Costa et al (2008), foram introduzidos no Brasil na década de 1970, contudo, seu uso se intensificou mais significativamente duas décadas mais tarde.

As geogrelhas e os geotêxteis estão disponíveis no mercado brasileiro em forma de tiras, mantas ou estruturas tridimensionais. Utilizadas principalmente como reforço do solo, podem ainda ser aplicadas para a separação de solos, obras de drenagem, contenção de fluidos e gases, controle de erosões e reforço de pavimentos, além de reforços de solos de maciços e estabilizações de taludes de aterros e de cortes em terrenos naturais.(Coltri, 2016)

A utilização das geogrelhas e dos geotêxteis é destacada ainda pelo Portal Engenharia Civil, em obras de geotecnia como em aterros reforçados, muros de suporte, taludes muito inclinados, aterros para deposição de resíduos perigosos, aterros para deposição de resíduos domésticos e industriais, estruturas de controle de erosão e de protecção costeira.

Costa et al (2008) cita que o uso dos geossintéticos em obras como estradas, barragens, túneis, estruturas de contenção, dentre outras, são favorecidas pela versatilidade, facilidade de emprego, excelente desempenho e, com freqüência, baixo custo quando comparado a outras alternativas.

Para Coltri (2016) são várias as justificativas para explicar o crescente uso dos geossintéticos, cabendo ressaltar sua facilidade e rápida instalação; podem evitar a utilização de materiais naturais com baixa ocorrência; permitem a utilização de solos que tradicionalmente não seriam considerados adequados, quer seja como materiais de aterro, quer seja como materiais de fundação de estruturas diversas; além esta sendo introduzidos no mercado a preços relativamente baixos.

Entre os principais campos de aplicação dos geotêxteis a ABINT (200?) destaca:

  1. Agricultura: principal utilização em drenagem agrícola;
  2. Áreas verdes: jardins, floreiras e proteção de gramados;
  3. Barragens: proteção de talude de montante, drenos vertical e horizontal, dreno de pé de talude;
  4. Canais: colchões drenastes, base para impregnação asfáltica e proteção de geomembranas;
  5. Captação de água subterrâneas:poços profundos e trincheiras de captação;
  6. Construção civil: drenagem subterrânea, proteção de impermeabilização, muros de contenção;
  7. Construção industrial: drenagem subterrânea, proteção de impermeabilização, estacionamentos e arruamentos, reforço de aterros sobre solos moles e taludes íngremes;
  8. Controle de erosão: revestimentos de canais, bacias de amortecimento, proteção superficial de taludes;
  9. Esporte e Lazer: capos de futebol e futebol socaste, quadras de tênis, campos suspensos, campos de golfe, jóquei clubes, praias artificiais, proteção de gramados;
  10. Obras de contenção: muros em solo reforçado, drenos em muros de arrimo, muros em gabiões, paliçadas e diques contínuos;
  11. Obras Marítimas: enrolamentos de contenção, diques contínuos;
  12. Proteção do meio ambiente: filtros em ETA e ETE, drenagem sob reservatórios, aterros sanitários e drenagem em pilhas de minérios;
  13. Obras viárias: estradas, vias de acesso, sistemas viários, pátios, estacionamentos e ferrovias.

Diante do exposto, fica evidente a versatilidade no uso dos geossintéticos, podendo ser aplicados em diversas áreas da engenharia. Neste sentido, salienta-se a importância da educação permanente e continuada na vida de qualquer profissional, quer seja para aplicação direta ou desenvolvimento de novas tecnologias, quer seja no aperfeiçoamento de tecnologias já existentes. Ainda dentro do contexto, destaca-se a relevância de se considerar a relação custo x benefício.

Referências

Associação Brasileira das Indústrias de Não Tecidos e Tecidos Técnicos - ABINT. Curso Básico de Geotêxteis. 200?.
COLTRI, Gustavo. Fundações e Contenções. Revista Infraestrutura Urbana. Editora Pini. Disponível em http://infraestruturaurbana.pini.com.br/solucoes-tecnicas/58/saiba-mais-sobre-o-uso-de-geogrelha-e-geotexteis-no-370220-1.aspx. Acessado em 17 de Abril de 2016.
COSTA, Carina. M. L et al. Avaliação de Recomendações Normativas sobre o Uso de Ensaios no Controle de Qualidade de Fabricação de Geossintéticos. 2008.
Portal Engenharia Civil (Texto baseado no original de Margarida João Fernandes de Pinho Lopes. Excerto Adaptado). Estruturas Geotécnicas Reforçadas com Geossintéticos. Disponível em: http://www.engenhariacivil.com/estruturas-geotecnicas-reforcadas-geossinteticos. Acessado em 17 de Abril de 2016.

PARCEIROS:

logo FAT logo EngeArc CAB logo AIMX